quarta-feira, 14 de abril de 2010

Para quem não sabe onde fica


O Palacete Mendonça fica por detrás do novel Jardim Amália Rodrigues, junto ao Palácio de Justiça.


Foto

AML de ontem à tarde (2)



Por detrás do belíssimo palacete da Marquês da Fronteira há um jardim igualmente belo por descobrir, mas também por recuperar e tratar. É um pequeno passo mas que poderá servir para se exigir ACÇÃO!

AML de ontem à tarde (1)





E como o Paço do Lumiar merece que haja quem o trate com respeito, o dignifique, recupere e valorize. Espero que seja este Executivo a fazê-lo.

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

E por isso

Convinha que no texto da nova proposta relativa ao Plano de Pormenor do Eixo Urbano Luz-Benfica, a ser agendada em breve para Reunião de CML, constasse a deliberação da Recomendação atrás mencionada e aprovada pela quase totalidade dos deputados municipais (com excepção do MPT) que, é como quem diz:

sábado, 17 de outubro de 2009

Coerência e lealdade


Fui ontem entregar a todos os partidos representados na Assembleia da República uma carta em que lhes pedia, ao abrigo da competência de fiscalização dos actos do Governo (art.º 162 da Constituição), que tomassem a iniciativa de revogar o Decreto-lei 188/2008, através do qual o Governo entregou à Liscont, sem concurso, a concessão por mais 27 anos do terminal de contentores de Alcântara. Sempre considerei esse diploma iníquo. Assinei há um ano a petição para o revogar e afirmei que devíamos levar a batalha até ao fim. É o que estou a fazer.
Mas uma coisa é pedir a revogação da prorrogação de um contrato feita sem concurso, outra é saber se Lisboa deve continuar a ser uma cidade portuária e qual o papel do terminal de Alcântara nesse processo. Para mim é uma evidência histórica e geográfica que Lisboa não deve abandonar o seu porto. O que é preciso, como repeti na última campanha eleitoral, é reconciliar a cidade com o seu rio e os lisboetas com o porto.
As conversações que António Costa tem mantido com todas as entidades intervenientes na zona (porto, operadoras de transporte e ferroviárias, LNEC, etc.) constituirão certamente uma excelente base de trabalho para se encontrar, para aquela zona, a melhor solução. Que não envolve apenas o terminal, mas também o nó ferroviário, as acessibilidades, o funcionamento hidro-geológico do vale de Alcântara e a animação ribeirinha na zona das docas. As questões a resolver são conflituais e tecnicamente complexas, daí a importância do talento negocial de António Costa neste processo, de modo a que a CML estabeleça com rigor os limites do que pode e deve ser feito, do ponto de vista dos interesses da cidade e da frente ribeirinha.
Mas isto não invalida que se critique a decisão inicial de prorrogar uma concessão sem concurso. Por isso não tive dúvidas em tomar a iniciativa que tomei, da qual dei naturalmente conhecimento prévio a António Costa.
É esta a maneira de fazer política em que acredito. Com lealdade mas sem abdicação. Sabendo ouvir e fazendo acordos sempre que necessário, mas sem nunca prescindir dos princípios que dão sentido ao nosso combate – entre os quais, sem hesitação, a defesa da transparência em todos os negócios que tenham o Estado como parceiro.

Helena Roseta